Rua Padre Marchetti, 596 - Ipiranga, São Paulo - SP

(11) 2063-3955

provinciadobrasil@oblatos.com.br

Notícias dos Oblatos › 08/06/2018

Oblatos de Maria Imaculada recebem a Comenda Mariana Amália

Coube-me a responsabilidade de falar em nome  dos  Oblatos de Maria Imaculada nesta solenidade para agradecer a deferência da Câmara de vereadores do Município de Vitória de Santo Antão que  aprovou Projeto de Lei  de autoria do Ilustre vereador Manoel de  Holanda e, por unanimidade, concedeu a Comenda Mariana Amália aos Missionários Oblatos de Maria Imaculada pelos relevantes serviços prestados  às comunidades deste Município, principalmente na evangelização dos mais abandonados.

Agradecemos, reconhecidamente, a honraria e deferências que se nos prestam através de seus legítimos representantes de todos os habitantes desta gloriosa terra em nos agraciar com essa Comenda que traz o nome da Heroína Mariana Amália. No decorrer da guerra, em virtude da necessidade de aumentar o efetivo do exército aliado, o governo imperial criou o grupo denominado Voluntários da Pátria. Em Vitória, uma comissão foi criada para receber as inscrições. Dentre os bravos voluntários estava a jovem Mariana Amália, descente de família ilustre, com projeção no meio social e político, ela segue com o batalhão como enfermeira. O seu gesto fez com que muitos outros se alistassem formando o 5° batalhão de voluntários da província. oferecendo-se como voluntária, Mariana Amália se prestava a ir mitigar as dores dos guerreiros feridos, servindo-lhes de enfermeira nos hospitais e no campo de batalha.

Tal qual Mariana Amália, o nosso fundador, Santo Eugênio de Mazenod, também era de família ilustre, seu pai era Presidente do Tribunal de contas da França, no início do século XVIII. Tendo tantas outras possibilidades de escolha, Eugênio, ao ver a situação de pobreza e de descristianização da França na Pós-Revolução Francesa, decide juntar um grupo de amigos para pregar missões paroquiais. Dentre suas missões, destacam-se as missões com a juventude e com os presidiários, os mais abandonados daquela sociedade.

Também o exemplo de Mariana Amália continua atual e profético para a Igreja, como tem apontado o Papa Francisco ao exortar para que a igreja seja como um hospital de campanha, aberta para acolher os feridos de nossa sociedade. É isso que buscamos em nossa paróquia, não uma ação pastoral de gabinete, mas chegar junto às pessoas a quem o Senhor da messe nos envia para anunciar a Boa notícia do Evangelho a elas, nas periferias geográficas e existenciais.

Como filhos de Eugênio chegamos a esta Cidade em 2000… . Nasce a Paróquia de Nossa Senhora Aparecida e São João Batista. Também foi nos dada a missão de, a essa época, administrar a Paróquia de São José em Jussaral. Como manda o nosso carisma, vivemos em comunidades apostólicas e temos trabalhado ao lado do povo de Deus nesses anos. A nova Paróquia foi formada do desdobramento das paróquias de Nossa Senhora do Livramento e de Santo Antão, e, aos poucos, fomos criando a nossa identidade, valorizando cada comunidade , com suas particularidades, identidade e dons. A luz do Espírito Santo e ensinamentos do Nosso Fundador, caminhamos, outra paróquia foi fundada a partir da nossa, a Paróquia de São Vicente.

Hoje somos comunidades vivas na fé que formam a Paróquia de Nossa Senhora Aparecida.  Somos Missionários Oblatos de Maria Imaculada que, com muita alegria, caminhamos com as comunidades urbanas e rurais de nossa paróquia, formando uma paróquia “comunidade de comunidades”, conforme o Documento 100 da Conferência dos Bispos do Brasil. Desse modo, buscamos evangelizar à luz do que diz o canto da nossa padroeira, com “Olhos abertos pra sede do povo, passo bem firme que o medo desterra. mãos estendidas que os tronos renegam. Reino de deus que renova esta terra!

O templo da Mãe Aparecida que estamos a Construir representa a fé, o esforço, a união e a esperança de nós Oblatos e da Comunidade que Deus nos enviou. Assim como a Casa da Mãe em Aparecida que nasceu da mão dos pescadores e congrega seus sonhos e esperança, A nossa Igreja aqui em Vitória vai tomando forma. Um lugar Santo onde cada tijolo representa um pouco de cada um dos nossos paroquianos e Oblatos de Maria Imaculada que por aqui passaram. Cada um com seu jeito, colocando seus dons a serviço deixou um pouco de si.

E, juntos, como família religiosa, vamos deixando a presença de Eugênio de Mazenod, orientados pelo nosso carisma: “Ele me enviou a evangelizar os pobres e os pobres são evangelizados”, de modo simples e comprometido, mantendo uma fidelidade criativa a fim de descobrir e atuar junto aos novos rostos dos pobres de nossa sociedade.

E assim falando, agradecemos à câmara de Vereadores pela honraria em nome da Congregação dos Oblatos de Maria Imaculada, em especial dos que, por aqui passaram. Termino com um pensamento de Santo Inácio de Loyola que meu fundador constantemente usava para exortar os seus filhos que iam para as missões, como o início da missão no Canadá e na África do Sul: “Tudo para a glória de Deus”. E bem sabemos, como nos recorda santo Irineu: A glória de Deus é o ser humano vivo”. Assim, em uma sociedade em que crescem os extremismos e a intolerância, convém sempre recordar as Palavras de São João, mostrando a missão de Jesus como fonte e ápice da vida: Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em plenitude.

 

Pe. Ednaldo T. da Silva, OMI

Animador do Distrito Nordeste da Província Oblata do Brasil

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.