Rua Padre Marchetti, 596 - Ipiranga, São Paulo - SP

(11) 2063-3955

provinciadobrasil@oblatos.com.br

Notícias dos Oblatos › 11/10/2017

Crescendo das Cinzas: Pe. Roy Snipes, OMI, adota cão abusado nos Estados Unidos

 

Padre Roy Snipes, O.M.I,  que trabalha na missão da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe no Texas, Estados Unidos, é bem conhecido por sua paixão por todas as criaturas de Deus, por isso não é surpreendente que a novidade mais recente dele, tenha sido, adotar um cachorro que precisava desesperadamente de sua ajuda.
O Padre Snipes, OMI, não podia virar as costas para o G2, um alemão Shepard que havia sido abusado por seu dono anterior. O proprietário de 59 anos foi preso e acusado de crueldade animal, quando um vídeo dele arrastando o cachorro atrás de sua scooter motorizada viralizou nas redes sociais. Segundo testemunhas, ele arrastou o G2 por cerca de dois quarteirões. O vídeo provocou indignação na área e a polícia local recebeu centenas de chamadas de cidadãos interessados sobre o incidente.

O dono anterior era um paroquiano da Paróquia do Pe. Snipes, OMI, que não tem o hábito de tecer críticas. Em vez disso, ele age. “Há mais Deus nele do que ele mesmo percebe”, Pe. Snipes disse sobre o abusador do G2. “Mas ele é um maluco. Eu não acho que ele realmente queria machucar seu cachorro”.

Padre Snipes não perdeu tempo em garantir que o cachorro nunca mais seja vítima de tamanha crueldade. Ele adotou o G2 e renomeou sua Ceniza, a palavra em espanhol para “cinzas”. Um nome apropriado, considerando que o cão começou sua nova vida com o Pe. Snipes apenas alguns dias antes da quarta-feira das cinzas. Ceniza não é o único animal a se beneficiar do Padre de coração amável e compassivo de Roy. Ela se juntou a outros nove cães que se dirigiram para a Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe.

Sua compaixão pelos animais é amarrada com suas raízes oblatas. “Em 1816, quando a congregação foi fundada, Santo Eugênio de Mazenod falou de como a Igreja era rígida, frígida e formal. Ele queria encontrar uma maneira de envolver as pessoas – e um cachorro velho pode realmente ajudar nisso. Os cães nos ajudam a ter um pouco mais de calor humano, sermos mais amigáveis, mais gratuitos e hospitaleiros. Foi uma grande parte do meu ministério”, disse o Pe. Roy. O primeiro cão do Pe. Roy, Gunzel, passou pelo seminário com ele. Um ano depois que Gunzel morreu, o Pe. Roy deu as boas-vindas a Magna em seu coração e em sua casa. “Ela se tornou uma grande parte da história da minha vida. Quando eu cheguei à Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, as pessoas estavam preocupadas se iria gostar dela, ou não. Eles a amaram”, disse ele.

Enquanto recebe seus cachorros para se juntar a ele na Igreja para as Missas, nem todos frequentam a missa a cada semana. “Eles são católicos – mas não necessariamente fanáticos”, brincou o Pe. Roy. Ele permite que os cães venham e saiam como quiserem, mas três de seus amigos peludos são “católicos fiéis” e frequentam a Missa regularmente. Ele antecipa que Ceniza se encaixa perfeitamente com o resto dos cães “católicos” na freguesia. “Ela é uma celebridade! Ela está bem”, disse o Pe. Snipes sobre seu mais novo cachorro. “Com apenas um ano de idade, ela ainda é muito uma bola de nozes, mas ela nos ama e nós também a amamos. Ela não está bem pronta para a sociedade civilizada, mas ela ganha muita companhia. Espero que, ao chegarem a Terra, pouco a pouco, podemos comparecer à Missa”.

O Padre Snipes está animado para apresentar Ceniza aos seus paroquianos. “As pessoas estão realmente ansiosas para vê-la. Provavelmente, no domingo em que ela faça sua “estréia”, obteremos uma coleção maior do que o habitual”! Nem todos os animais companheiros do Pe. Roy são cães. Ele também tem dois burros e um lama – mas ele diz às crianças que o lama é o camelo na história dos Reis Magos. “Nós o vestimos com uma corcunda e ele entra na Igreja com os reis durante a festa dos Reis Magos”, explicou. Os burros desempenham o papel de burro da Sagrada Família no Natal e na procissão de quatro milhas de palmeiras do domingo.

Annie Kessler
Fonte: https://www.omiusa.org

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.