Rua Padre Marchetti, 596 - Ipiranga, São Paulo - SP

(11) 2063-3955

provinciadobrasil@oblatos.com.br

JUPIC › 05/05/2020

Folhetim – 05 maio 2020

OBLATOS DE MARIA IMACULADA
MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, PAZ E INTEGRIDADE DA CRIAÇÃO

ENTRE A “BIBLIA” E “O CAPITAL”(Marx), O PSD FICA COM O DIÁRIO OFICIAL – TANCREDO NEVES

PANELAÇOS

Os panelaços que começaram a ser ouvidos recentemente fazem lembrar os protestos pelo impeachment contra Dilma Rousseff em 2105 e 2016. Naquela época, as panelas ficaram marcadas como instrumento-símbolo de uma classe média de direita nos centros urbanos revoltada com a crise econômica que erodiu a popularidade da presidente. O primeiro panelaço foi em março de 2015, no Dia Internacional da Mulher; gritos de “fora Dilma” e “fora PT” se juntaram à sinfonia das panelas nas sacadas e janelas dos prédios em ao menos 12 capitais naquele dia. Panelaços também aconteceram no passado na Argentina, Chile, Venezuela, Colômbia, Canadá, e adivinhem…, na Islândia, onde provocou a renúncia do primeiro-ministro no governo de centro-direita.

TERRAS INDÍGENAS

Em 2018 houve 15% de invasões a mais em terras indígenas do que no ano anterior. Quanto a assassinatos de lideranças, em 2018 houve 135, 25% a mais do que no ano anterior. A Terra Indígena Arariboia, no Pará, já teve 413 mil hectares invadidos. Dada ideia no governo é sempre contrária aos indígenas, à demarcação de suas áreas e de reservas nacionais; é contrária ao meio-ambiente e favorável ao garimpo e aos desmatadores.

BOLSONARISMO

Revela cruel falta de empatia com o sofrimento humano, intolerância com quem não se enquadra no padrão ultraconservador da moral e dos bons costumes, despreza pelas mais elementares regras de convívio numa sociedade democrática. Por outro lado, o petismo faz pouco do clamor por igualdade republicana perante a lei. Prefere vêlo com produto da manipulação política; rejeita qualquer autocrítica.

NEGROS

Pela primeira vez estudantes negros, passaram a ser maioria de inscritos nas instituições de ensino superior da rede pública.

LULA-POLÍCIA FEDERAL

Em 2007 o ex-presidente trocou o comando da Polícia Federal e da Agência Brasileira de Inteligência, com a intenção de ter mais informações sobre operações levadas a efeito pelas agências. Lula reclamava que muitas vezes tomava conhecimento de assuntos sensíveis somente pelos jornais. Um dos problemas era que ele não tinha boa interlocução com Tarso Genro, então ministro da Justiça, com quem ele se encontrava apenas semanalmente. Lula teve dois problemas. Num deles, na “Operação XequeMate” que investigava a máfia dos caça-niqueis, um irmão e um compadre seu foram indiciados. Em outro, o problema foi as vaias recebidas por Lula em julho de 2007, na abertura dos Jogos Pan-Americanos, no Maracanã; isso foi a gota d’água.

LAVA-JATO

A operação acarretou mudanças sem precedentes em várias dimensões da vida política, econômica e ética do país. Foram 113 operações. Nelas, houve 186 ações penais; 204 condenados; 96 acordos de colaboração; 19 acordos de leniência. E foram recuperados mais de R$ 14 bilhões. Alguns dizem que foi bem mais do que isso.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.