Rua Padre Marchetti, 596 - Ipiranga, São Paulo - SP

(11) 2063-3955

provinciadobrasil@oblatos.com.br

JUPIC › 24/11/2020

Folhetim – 24 de Novembro 2020

OBLATOS DE MARIA IMACULADA
MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, PAZ E INTEGRIDADE DA CRIAÇÃO
A POLÍTICA CONSISTE EM ESCOLHER ENTRE O DESAGRADÁVEL E O DESASTROSO – JOHN GALBRAITH

ELEIÇÕES E O “CENTRÃO”. Ele sempre esteve no comando do Brasil. Quando Tancredo Neves morreu em 1985, lá estava José Sarney para assumir o poder. Quando Collor sofreu o impeachment em 1992, lá estava Itamar Franco para assumir seu lugar. em Rio de Janeiro o Centrão ganhou, como também em Belo Horizonte. As forças que sempre dominaram a política brasileira estão novamente fortalecidas e recompostas; e não irão a lugar nenhum. O Centrão é uma coalizão de interesses que só aprova alguma coisa à custa de transferência de renda para o seu Estado. Por exemplo, uma  determinada estatal. O Centrão nunca perde e nunca ganha; ele sempre está lá, ao lado direito da cadeira presidencial. Nestas eleições, o bloco dos partidos considerado de esquerda, PT, PDT, PSB, PCdoB, Rede e Psol, perdeu posições em relação ao ciclo anterior. Em 2016, eles haviam conquistado 1.088 prefeituras; neste ano, foram 795. Seja qual for o resultado do segundo turno, pouca mudança haverá naqueles números. Das 95 cidades com mais de 200 mil eleitores (portanto, cidades grandes), 57 voltarão às urnas; a esquerda está em 28 dessas cidades. O PT é a legenda que disputa mais returnos.

MULHERES E A POLÍTICA. O MDB elegeu 107 prefeitas; o PSDB, 53; o PT, 23. Do total de prefeitos eleitos, apenas 12% são mulheres. Vencedora do Miss Brasil 2020, que ainda existe, a gaúcha Julia Gama fala alemão, espanhol, inglês e… mandarim… e ela ainda cursa engenharia química…

VACINA OBRIGATÓRIA OU NÃO. “A cidade apresenta um aspecto tristíssimo, de verdadeira praça de guerra”. Assim noticiou o Estado de São Paulo em 15 de novembro de 1904, a situação no Rio de Janeiro, em meio à onda de protestos violentos que marcaram a Revolta da Vacina. O motim durou seis dias, levou à decretação de estado de sítio e resultou em 30 mortos, 110 feridos, 945 prisões e 461 pessoas deportadas… A revolta teve como estopim as exaltadas discussões sobre a lei que tornou obrigatória a vacinação contra a varíola. O coordenador do projeto era Osvaldo Cruz; o presidente, Rodrigues Alves, que veio a falecer por causas outras que a vacina; o prefeito, Pereira Passos, que “modernizou” o Rio de Janeiro à custa da expulsão de inúmeras famílias para a periferia (o bairro atual do Leblon resultou disso). Foi Pereira Passos quem abriu as modernas avenidas do Rio; para isso arrasou morros e colinas que resultou em áreas como a Cinelândia e o aeroporto Santos Dumont.

FAVELAS E O RIO DE JANEIRO. Foram 80 favelas removidas entre 1962 e 1974. 140 mil moradores foram levados da zona sul para bairros da periferia, principalmente o Leblon que era na época um enorme descampado. Disso tudo resultou a chamada Cruzada São Sebastião fundada por Dom Helder Câmara. Ele dizia que era preciso acabar com a mania de varrer os operários para longe das casas dos patrões. Foram dez blocos de apartamentos no coração do Leblon para abrigar a população expulsa dos seus lugares. A rigor, a ocupação dos morros cariocas vinha desde o fim da guerra do Paraguai (1868) quando os combatentes voltaram, a grande maioria negros e ex-escravos, deixados ao “deus-dará” sem nenhum plano de ajuda e de alocação.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.