Rua Padre Marchetti, 596 - Ipiranga, São Paulo - SP

(11) 2063-3955

provinciadobrasil@oblatos.com.br

JUPIC › 29/05/2019

Folhetim – 29 de maio 2019

OBLATOS DE MARIA IMACULADA
MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, PAZ E INTEGRIDADE DA CRIAÇÃO

Há de se garantir que as periferias deixem de ser senzalas pós-modernas; as cidades, sem cercas e livres da ditadura do automóvel e do cimento – “Antonio Martins”

A SEGURIDADE SOCIAL
Amparada pelo Estado e financiada de modo compartilhada, ela é prevista pelo artigo 195 da Constituição e é o maior programa social do pais. Ela garante a aposentadoria, engloba cobertura para os eventos de vulnerabilidade, como doença, invalidez, morte, idade avançada, maternidade, desemprego, reclusão, viuvez e orfandade, além de benefícios assistenciais para os mais pobres. O sistema tem sido altamente sustentável. De l988 a 2015, as contribuições vinculadas à Seguridade Social foram mais que suficientes para cobrir os gastos com Previdência, saúde e assistência, e ainda sobraram dezenas de bilhões de reais anualmente, que foram desviados por meio da Desvinculação das Receitas da União (DRU) e de outros mecanismos, principalmente para pagar juros da chamada dívida pública.

De 1995 a 2015, produzimos mais de R$ 1 trilhão de superávit primário. E de repente entramos em crise… Ela não foi causada pelos fatores que produzem crise (quebra de bancos, quebra de safra, adoecimento da população ou guerra), mas pela insana política monetária.

Essa crise fabricada tem servido de justificação para medidas que só favorecem o setor financeiro, como o sistema de capitalização; ele recebe as contribuições e cobra taxas de administração
exorbitantes. Afirma a Organização Mundial do Trabalho que dos 30 países que optaram pela capitalização, 18 se arrependeram e voltaram atrás.

15 MAIO
Foram protestos em 220 cidades e em todas as capitais. Foi a primeira grande manifestação de massa nacional contra o atual governo, muito maior e de outra qualidade de participação em relação ao 22 de março, dia de luta contra a reforma da Previdência. Houve massividade, amplitude, ocupação de ruas e praças públicas, com razoável horizontalidade.

A revolta contra o corte na Educação é amplíssima e começa a ampliar também o deslocamento de setores populares na direção de engrossar a oposição ao governo. O embate do governo com a mobilização popular no tema da Educação não é um fato isolado; há uma sequência de reveses. Começa a surgir resistência maciça com o protagonismo da juventude (principalmente feminina e negra) e do professorado, com capacidade de polarização e de construir frente única de articulação de várias lutas. Por outro lado é fundamental não atirar lenha na fogueira de rancor e vingança em que o país está se transformando.

BRUMADINHO
272 pessoas perderam a vida devido à queda da barragem; e o verde volta a brotar em meio a rejeitos de minério.

MICHEL TEMER
É suspeito de chefiar uma quadrilha que, por 40 anos, recebeu vantagens indevidas por meio de contratos envolvendo estatais e órgãos públicos. O Ministério Publico liga o grupo a desvios de até R$ 1,8 bilhão. Ele também é investigado em outros oito processos.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.