Rua Padre Marchetti, 596 - Ipiranga, São Paulo - SP

(11) 2063-3955

provinciadobrasil@oblatos.com.br

Notícias dos Oblatos › 27/02/2020

MEU NOME É “Jesus da Gente!”

Eu não ia me pronunciar, mas, um amigo meu uma vez me disse que “nossos posicionamentos sempre são necessários”, afinal, não dá pra ficar em cima dos muros…

Um certo desconforto tem se manifestado entre muitos cristãos e até não-cristãos católicos a respeito do Desfile da Estação Primeira da Mangueira na noite do dia 23 para o dia 24 no Sambódromo da Sapucaí-RJ.

A Mangueira é uma Escola de Samba já afamada por seu viés político e sempre de um cunho muito polêmico e social.

Em situações assim eu vanglorio quem não tem a coragem de não se calar diante de injustiças sociais e desigualdades que matam nossos irmãos às beiras de nossas calçadas! A Escola simplesmente trouxe o grande desafio de contar a biografia mais conhecida em todo o mundo: a de um homem chamado Jesus de Nazaré. É uma coragem muito grande trazer para uma apresentação teatral a figura de um homem que mudou o rumo da história da fé, da religião e da política de nosso mundo há mais de dois mil anos. Não é uma tarefa fácil, falar simples é difícil.

Sempre somos tentados em recorrer a grandes tratados teológicos, doutrinas catequéticas, sumas teológicas de grandes santos, mas esquecemos do mais simples dos documentos: a Bíblia. A Palavra de Deus, o Evangelho narrado simplesmente em parábolas. Com palavras simples, porque Jesus sempre foi assim. Aí, hoje querem questionar que conhecemos a Bíblia através de um desfile. Bom, talvez eu tenha conhecido algo novo sim, talvez o desfile tenha aberto meus olhos para uma realidade que bate à minha porta, que vem de encontro na faculdades e que eu ainda não tinha visto. E estava lá esse tempo todo, no evangelho, e na minha vida.

JESUS DA GENTE: um jovem, de periferia, que dança funk, pobre…
Essa é a primeira imagem de Jesus que aparece na Comissão de Frente do desfile da Mangueira. Um jovem como nos dias de hoje. Simples, feliz. Um Jesus que dança, que brinca, que sorri, que se diverte, mas que é torturado pelas forças do poder, dos mais fortes…

JESUS DA GENTE: uma mulher, jovem, negra…
É a representação da maravilhosa Evelyn Bastos. Ela, em entrevista disse que relutou muito antes de aceitar o pedido da Escola. “Eu temi muito de não ser compreendida. Das pessoas não conseguirem enxergar que Jesus nos representa também, que Ele é morto todos os dias, vítima de feminicídio, de violências contra a mulher, vítima da prostituição… Se Jesus hoje estivesse num corpo de mulher Ele seria acolhido?” “Vão inventar contra mim mil pecados, mas será que alguém entendeu o m’Eu recado?”

JESUS DA GENTE: rosto índio, pele negra…
Negros e índios também são representados no desfile… Com uns o desrespeito por sua cultura e a falta de cuidado com a Terra. Com outros a discriminação racial…

JESUS DA GENTE: pobres, os que sofrem a miséria, mendigos…
Jesus entra em Jerusalém pobre, mendigo, com sua canequinha implorando uma moeda, implorando comida, implorando que o tire das ruas, do frio, da falta de oportunidades, do desemprego.

JESUS DA GENTE: o homem enfurecido no Templo…
O Jesus “furioso” no desfile faz uma crítica feroz contra os que transformam as igrejas, a fé em comércio vendendo curas e milagres por aí…

JESUS DA GENTE: “e aí, irmão, vai tacar pedra?”
Numa das alas a Escola traz a representação de Maria Madalena representando quantos hoje são julgados por suas diferenças, por seus erros, enquanto no alto da cruz nos diz “só ame”. É isso que importa!

“A verdade vos fará livres” é o tema-enredo da escola deste ano. Acredito que a escola trouxe verdades que precisamos realmente enxergar melhor, enxergar com os olhos do Bom Samaritano, enquanto continuarmos a enxergar essas realidades com os olhos do sacerdote e do levita, vamos continuar nos preocupando mais com os ritualismos, sacrifícios, liturgias, e se esquecendo de olhar para quem de fato está sendo excluído da festa da ressurreição e da alegria. As vezes é a própria igreja quem exclui…

A Estação Primeira de Mangueira soube falar de Jesus com muito mais verdade do que eu em todos os meus anos de missão. Se isso te incomodou, talvez seja porque também você não tem vivido de verdade o Evangelho em seu dia a dia…

DEUS nos ajude a encontrá-lo no JESUS da gente! Graça e paz!

Pe. Kleber Farias,OMI

*Foto: GABRIEL NASCIMENTO/RIOTUR

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.