Rua Padre Marchetti, 596 - Ipiranga, São Paulo - SP

(11) 2063-3955

provinciadobrasil@oblatos.com.br

Artigos › 16/12/2020

Uma das grandes mensagens do Natal é revelar que somos seres únicos

people-2942884-640

Você sabia somos seres únicos(as) e irrepetíveis? Esse é um fato que podemos conhecer de intelectualmente. Mas, frequentemente, nos esquecemos disso, sobretudo quando tudo parece dar errado em nossas vidas.

Nessas situações, parece que ninguém se preocupa conosco e que nossas vidas são inúteis, apenas mais um “número”

No entanto, o mistério do Natal mostra-nos claramente que não somos inúteis, mas únicos e possuímos grande dignidade.

O Papa Bento XVI refletiu sobre essa realidade durante uma homilia, no Advento de 2010. Disse ele:

“A Encarnação nos revela, com intensa luz e de forma surpreendente, que toda vida humana tem uma dignidade muito elevada e incomparável.”

Seres únicos

Deus não se uniu a nenhum outro animal da terra, mas ao homem, reforçando o fato de que somos únicos entre todos os seres vivos. É o que diz um trecho da Constituição Pastoral Gaudium et Spes:

Na realidade, o mistério do homem só no mistério do Verbo encarnado se esclarece verdadeiramente…Cristo, novo Adão, na própria revelação do mistério do Pai e do seu amor, revela o homem a si mesmo e descobre-lhe a sua vocação sublime. Não é por isso de admirar que as verdades acima ditas tenham n’Ele a sua fonte e n’Ele atinjam a plenitude.

«Imagem de Deus invisível» (Col. 1,15) , Ele é o homem perfeito, que restitui aos filhos de Adão semelhança divina, deformada desde o primeiro pecado. Já que, n’Ele, a natureza humana foi assumida, e não destruída, por isso mesmo também em nós foi ela elevada a sublime dignidade. Porque, pela sua encarnação, Ele, o Filho de Deus, uniu-se de certo modo a cada homem. Trabalhou com mãos humanas, pensou com uma inteligência humana, agiu com uma vontade humana, amou com um coração humano. Nascido da Virgem Maria, tornou-se verdadeiramente um de nós, semelhante a nós em tudo, exceto no pecado .

Cordeiro inocente, mereceu-nos a vida com a livre efusão do seu sangue; n ‘Ele nos reconciliou Deus consigo e uns com os outros e nos arrancou da escravidão do demônio e do pecado. De maneira que cada um de nós pode dizer com o Apóstolo: o Filho de Deus «amou-me e entregou-se por mim» (Gál. 2,20).

Únicos e irrepetíveis

Além disso, a encarnação de Jesus nos revela que somos irrepetíveis, nunca devemos ser apenas um “número” ou “objeto” mas como uma pessoa humana”

“Acreditar em Jesus Cristo também significa ver o homem de uma nova maneira, com confiança e esperança. Além disso, a própria experiência e a razão justa atestam que o ser humano é capaz de compreender e querer, consciente de si mesmo e livre, irrepetível e insubstituível, ápice de todas as realidades terrenas, e que exige ser reconhecido como valor em si mesmo e merece sempre para ser aceito com respeito e amor. Ele tem o direito de não ser tratado como um objeto a ser possuído ou algo a ser manipulado à vontade, e a não ser explorado como meio em benefício de outrem e de seus interesses.”

Dignidade

Portanto, enquanto contemplamos os múltiplos mistérios do Natal, não esqueçamos da grande dignidade que recebemos e como temos uma ligação íntima com Jesus, que compartilhou nossa humanidade. Isso nos eleva acima de todas as coisas vivas e deve nos impulsionar a viver mais virtuosamente, não apenas nos tratando com respeito, mas vendo todos os outros seres humanos únicos sob uma luz semelhante.

Via Aleteia

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.