Rua Padre Marchetti, 596 - Ipiranga, São Paulo - SP

(11) 2063-3955

provinciadobrasil@oblatos.com.br

Notícias dos Oblatos › 30/05/2017

Uma Nova Aventura Missionária

Em sua carta anual por ocasião da Páscoa, o Pe. Domenico RODIGHIERO, OMI, um Oblato italiano que trabalha na Tailândia, escreve sobre sua missão para sua família e amigos.

 Como você sabe, eu ainda estou trabalhando com refugiados, especialmente paquistaneses e, com eles, estamos imersos na Semana da Paixão. A situação em Bangkok (capital da Tailândia) é muito difícil para estes “pobres cristãos” que não podem encontrar paz. Muitos deles têm estado na prisão por vários anos, e suas vidas se complicam cada vez mais. Nós temos ajudado o tanto quanto podemos, mas nossos recursos são limitados e não podemos cobrir todas as suas necessidades.

 É triste ver um pai que me pediu para escrever uma carta de recomendação para uma Paróquia no Canadá, enquanto sua família inteira (esposa e cinco filhos) tem estado na prisão por quase dois anos. A última vez que eu o encontrei foi muito preocupante, pois seu filho de seis anos tinha sido transferido para uma cela de homens da seção das mulheres, onde ele tinha estado com sua mãe. Verdadeiramente, todas essas pessoas vivem a Paixão como Cristo. Seus sofrimentos causados ​​pela falta de humanidade de tantas pessoas.

 Finalmente, algumas notícias que eu quero compartilhar com vocês para que possam me acompanhar no meu novo estágio de experiência missionária. No início de maio serei transferido para a minha nova Paróquia. Quando recebi minha obediência tive que encontrar o lugar no Google, mas, apesar de quão poderoso, este meio não tem conhecimento da presença das pessoas onde estou. A nova comunidade a que servem é uma pequena aldeia nas montanhas do norte da Tailândia, que é cerca de 1400 metros acima do nível do mar.

 Mankhaw, esse é o nome da pequena cidade que não está no mapa, pois está localizada na floresta com apenas algumas centenas de almas. Na estação chuvosa, que vai começar em breve, é praticamente inacessível porque a estrada é enlouquecedora. Tentar desafiar dificuldades climáticas pode custar maravilhosas cambalhotas com caminhão em queda livre para as profundezas do vale. Meu novo compromisso missionário é o estereótipo do que eu tenho em mente na missão: o missionário que vive entre as pessoas em uma espécie de cabana de madeira, bebendo água da chuva e partilhando a vida com os moradores. O missionário bate o aro de uma roda e come o que eles podem encontrar na floresta.

 É realmente um desafio, o desafio de costume da nossa fé. O resultado do trabalho missionário na aldeia será sempre pequeno porque as pessoas estão ocupadas demais tentando sobreviver, porque eles não têm tempo para parar e estudar o catecismo. Eles são muito cansados para se concentrarem em sua vida espiritual. Quando a noite vem, a luz é muito fraca e também ruas de lama para ir à Igreja. Mas Deus sempre encontra uma maneira de construir o seu reino e, talvez só precise de alguém para cuidar da comunidade como um sinal de que não se esquece de sua fadiga, sua pobreza, seu sofrimento diário. Eu não me importo se o nome da vila não está no maior motor de busca, a sua existência passa despercebida e seu nome nunca será inscrito no registro municipal. Deus se lembra deles, porque ele ama e por esta razão me envia para estar com eles.

 Em 3 de maio eu chego à aldeia para iniciar o que poderia ser uma nova aventura missionária para mim. Eu não sei aonde isso vai me levar. Preciso de suas orações para me manter fiel à vocação e viver com alegria esta nova atribuição. Feliz Pascoa!

Pe. Domenico RODIGHIERO, OMI

Tailândia

Fonte: https://www.omiworld.org

www.asianews.it

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.