Rua Padre Marchetti, 596 - Ipiranga, São Paulo - SP

(11) 2063-3955

provinciadobrasil@oblatos.com.br

Vigília Pascal

A Vigília Pascal na noite santa para ser bem compreendida precisa, entretanto, ser iluminada pela luz do Batismo e vivenciada pelo rico simbolismo que a Vigília Mãe de todas as vigílias nos oferece. O percurso celebrativo coincide com a iniciação cristã, ou seja, rito da Luz, da Palavra, do Batismo e da Eucaristia.

Esse itinerário, nos leva a uma intimidade com o Cristo que nos tirando das trevas, nos faz luz do mundo. Celebrar a Vigília Pascal a cada ano tem, pois, significado de refontalização, ou seja, voltar às fontes da nossa vocação de seguidores de Cristo. Sua Luz, nos orienta e ilumina nossos passos débeis nas sombras do egoísmo, do individualismo, da violência e da insensibilidade com os mais empobrecidos.

Sua Palavra desfaz os nossos caminhos tortuosos pela infidelidade e distanciamento do seu Projeto de vida em plenitude para toda humanidade. Seu Batismo, nos purifica e nos envia a sermos discípulos e missionários do Deus da Vida, que entrelaça sua Graça Extraordinária em nós. Tudo isso, nos conscientiza que a morte não pode mais opor-se à vida. Daí o grande ápice da Eucaristia que nos remete a uma experiência nova com Jesus vivo e ressuscitado no Pão e Vinho, ou seja, Corpo e Sangue de Cristo Jesus!

Os simbolismos da Vigília Pascal são simplesmente materialidade ou espiritualidade que nos aproximam de Deus. O fogo na liturgia da noite do sábado santo representa para nós a grande teofania, ou seja, a manifestação e revelação de Deus: a nova criação realizada na ressurreição de Jesus. Na Bíblia, o fogo é sinal da presença e ação de Deus no mundo (1Rs 19,12).

A tipologia da Luz é descrita no Exultet, que forma um todo orgânico com o anúncio da libertação pascal. A aclamação “Eis a luz de Cristo” é um memorial da Páscoa. A procissão com o Círio marca a presença de Cristo no meio do seu povo, e será visto apenas por quarenta dias por todos da assembleia. A Luz exalta o que é belo e bom. Na Bíblia, Deus é Luz (Sl 27). Tudo isso nos leva a refletir que uma vida inspirada pela fé é um caminhar na luz e ser luz!

A Água é símbolo da vida. Ela representa a eficácia do sangue redentor de Cristo. A imersão do Círio Pascal na água é a união do elemento divino com o humano, a força fecundante de Cristo, gerador da vida nova, para que todos os que se banharem nessa água se tornem filhos de Deus. Todos esses elementos cósmicos como fogo, luz, e água convidam-nos a ressaltar a dimensão ecológica, nos conscientizando que somos seres planetários. Também, surge o nascimento espiritual de novos filhos de Deus através do Batismo, a meditação sobre as maravilhas que Deus realizou desde o início pelo seu povo, que confiou em sua Palavra e em sua promessa.

A liturgia da vigília Pascal foi desenvolvida durante os séculos e é rica em imagens arquetípicas que evocam respostas das profundezas da psique humana: escuridão e luz, morte e vida, caos e ordem, escravidão e libertação. As leituras procuram dar uma panorâmica da História da Salvação, desde a criação até a nova criação realizada na morte-ressurreição de Jesus.

É importante lembrar a não antecipação do horário da celebração da Vigília Pascal, isso para não perder o seu caráter de Vigília. “Toda Vigília seja celebrada durante a noite, de modo que não comece antes do anoitecer e sempre termine antes da aurora do domingo” (Missal Romano). Isso não se trata de uma disposição legal, mas de um convite para não perdermos o rico simbolismo da passagem das “trevas para a luz”.

Sendo assim, que esta Eucaristia Pascal nos fortaleça em nossa caminhada e nos conserve sempre unidos no amor que Cristo nos amou para anunciarmos o seu Evangelho, a sua pessoa, vida, morte e ressurreição. Que seja verdadeiramente uma celebração de um sincero encontro pessoal com o Ressuscitado, nessa celebração comunitária, ao ponto de segui-Lo e ajudar as pessoas a se encontrarem com Ele, e que a Luz de Cristo gloriosamente ressuscitado nos dissipe as trevas do coração e do espírito.

Desejo a você caro leitor que essa Vigília Pascal que é em honra ao Nosso Senhor, nos ajude a sermos sentinelas vivas e acesas nesse mundo mergulhado pelas trevas da morte e por tudo aquilo que fere a Vida plena de Deus para seus filhos e filhas. E que a Páscoa seja uma verdadeira festa de libertação, de alegria e esperança, como cantamos nos Exulte: “Ó noite de alegria verdadeira, que une o céu e a terra inteira”. Desejo para todos e todas uma feliz, santa e fecunda Páscoa!

Em Cristo Jesus e Maria Imaculada!
Graça e paz!

Pe. Antônio Kleber, OMI

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.